Como chegamos a Abrajet Nacional
Carlos Casaes com Flávio, da Abrajet Alagoas, sobrinho do ex-presidente Luís Alípio de Barros/Foto: Gilberto Sander Müller

Como chegamos a Abrajet Nacional

Carlos Casaes (*)

Eu creio ser de “bom tom” sempre que falarmos das origens da nossa ABRAJET,
lembrar que ela foi criada em 29 de janeiro de 1957, mas se circunscrevia
pura e simplesmente ao Rio de Janeiro e não era, na origem, uma entidade
nacional, conquanto o nome pomposo de “Brasileira”.

Tanto assim que em São Paulo existia a AJOTESP – Associação de Jornalistas
de Turismo do Estado de São Paulo (porque os confrades daquele Estado não
acompanharam aos do Rio).

Logo depois começaram a ser criadas as entidades estaduais, da mesma sorte,
sem qualquer vínculo com a ABRAJET do RIO.

Foi o caso da AJOTECE (Ceará), AJOTEBA (Bahia), AJOTAL (Alagoas) e AJOTURS
(RS) e algumas nos demais Estados.

No começo da década de 80 (1981), inconformado com aquela situação estranha
(uma entidade dita Brasileira se circunscrevendo apenas a um Estado,
enquanto nos demais eram fundadas entidades locais) iniciei uma campanha
para nacionalizar a tal ABRAJET. Aliás, contando com a oposição, à época,
do seu Presidente que era o ARAÚJO CASTRO (por sinal baiano de Santa Maria
da Vitória, nosso amigo). Como contava com o apoio unânime das entidades
estaduais decidi, mesmo com a oposição do ARAÚJO, convocar um encontro
nacional para Salvador, com aquele objetivo. Foi o I ENCONTRO NACIONAL DE
JORNALISTAS DE TURISMO, realizado no HOTEL MÉRIDIEN (que era a sede da
nosso Jornal a GAZETA DO TURISMO) e onde compareceram e se hospedaram cerca
de 120 companheiros dos demais Estados.

Por sinal, diante da realidade e para evitar que pudéssemos – com a
oposição dele – criar uma outra entidade nacional, o próprio Araújo
compareceu. Ali, então, fundamos a ABRAJET Nacional, mantendo a do Rio como
uma seccional, bem assim todas as demais entidades estaduais, que deram
lugar às Seccionais. Conseguimos, daquela forma, sistematizar o contexto da
organização dos jornalistas do turismo no país. O próprio ARAÚJO foi o seu
primeiro Presidente. O mais, tudo já foi dito nos artigos e matérias que
antecederam essa minha manifestação.

Creio ser oportuna a referência, para fazer justiça a todos aqueles
companheiros que marcaram ponto na história do jornalismo de turismo.

*Ex-presidente ABRAJET Nacional *Biênio 90/92, eleito em* Blumenau, Santa
Catarina e *Biênio 92/94, eleito em* Brasília. Fundador da Confraria de
Jornalistas de Turismo. Jornalista baiano, fundador da Gazeta de Turismo e
do Troféu Catavento de Prata, destinado aos melhores, no Dia Mundial do
Turismo.

O Eduardo Zorzanello e esposa foram com a filhinha na festividade do Catavento de Prata em 2010/Foto: Gilberto Sander Mùller

As fotos em destaque são de autoria de Gilberto Sander Müller, foram tiradas no
Catavento de 2010. O Eduardo Zorzanello e esposa foram com a filhinha na
festividade; Flávio Gomes de Barros, sobrinho do Luís Felipe, que era
presidente da Abrajet quando o RS fez o 8º Encontro em Caxias do Sul, foi o
jornalista distinguido no Catavento 2010.

Fonte: Jornalista Jurema Josefa – Associada da ABRAJET Seccional Rio Grande do Sul

Fechar Menu